Aquecedor solar: onde o Brasil se encontra no ranking mundial?

O uso de aquecimento solar está crescendo a cada ano que passa em vários países e a tendência é que essa matriz energética limpa se torne uma das principais nas próximas décadas.

A Agência Internacional de Energia acompanha a evolução do consumo dessa fonte de energia e disponibiliza as informações levantadas em um detalhado relatório, intitulado “Aquecimento Solar no Mundo — o mercado e sua contribuição para o suporte de energia”.

Com dados muito relevantes sobre o setor, merece uma análise criteriosa. Então, veja dados essenciais sobre o uso de aquecedor solar no Brasil e no mundo!

O aquecedor solar e sua função

O aquecedor solar tem o principal objetivo de converter a radiação do Sol em energia térmica. Com coletores solares e reservatórios térmicos, permite aquecer a água e disponibilizá-la para o uso.

É uma excelente alternativa para dar origem a banhos mais confortáveis, ao mesmo tempo em que garante economia e eficiência. Além de tudo, é algo que envolve uma energia limpa e renovável.

O crescimento do setor de aquecimento solar

Inclusive, é essa questão que motiva o desenvolvimento do segmento. As pessoas e as empresas já buscam a redução dos gastos, então o revendedor também deve considerar isso.

Além disso, o retorno sobre o investimento feito compensa muito! O custo do aquecedor solar de água é um pouco mais elevado em relação ao sistema elétrico e bem similar ao investido na modalidade a gás.

A grande diferença está no custo de manutenção — e aí está o pulo do gato: com durabilidade média de 20 anos, o sistema de aquecimento solar demanda um valor bem baixo para manutenção.

A economia já começa a ser sentida nos primeiros meses de instalação. Isso porque ao aquecer a água com a luz solar, o estabelecimento poupará na conta de energia elétrica. Afinal, o chuveiro pode representar até 40% do total do valor gasto na conta de energia. Dependendo do consumo de água, o retorno do investimento feito (também conhecido como payback) pode ocorrer em cerca de dois anos.

E se engana quem pensa que isso é vantajoso somente para residências. Há estabelecimentos comerciais sentindo o alívio nas contas, a partir da instalação desse mecanismo também para aquecer água de pias, chuveiros, cozinhas, vestiários, motéis e hotéis.

Quanto ao crescimento, o total de coletores planos instalados no mundo, em 2017, correspondeu a 107,2 GW. Quer saber o que significa isso? Aproximadamente, foram instalados 150 milhões de m² de placas. Corresponde, em média, à área de 1.000 estádios de futebol.

O ranking mundial

Entre os países que têm maior número de aquecedor solar instalado, é possível ver um interesse em comum: reduzir a poluição e gerar economia para as pessoas. No ranking mundial, o Brasil aparece em 5º lugar. Acima do país, estão China, Estados Unidos, Turquia e Alemanha. Então, o país é o maior ao falar da América Latina.

Nas posições seguintes, estão Índia, Austrália, Áustria, Grécia, Israel e Itália. Veja o top 15 de países:

  1. China
  2. Estados Unidos
  3. Turquia
  4. Alemanha
  5. Brasil
  6. Índia
  7. Austrália
  8. Áustria
  9. Grécia
  10. Israel
  11. Itália
  12. Japão
  13. Espanha
  14. México
  15. França

Embora seja boa notícia, o país ainda tem muito a crescer nesse segmento. O principal motivo para isso é o índice de irradiação. Pelo fato de morarmos em um país tropical, o sol não é um problema. Só para ter uma ideia, o Greenpeace divulgou um estudo que mostra que o Brasil tem um dos maiores potenciais para energia solar.

A região Sul, mesmo sendo o pior local para geração, tem melhor incidência do que o lugar mais adequado na Alemanha. Mas lá a energia solar é difundida, com 19 milhões de m² de coletores.

O volume de aquecedores solares no mundo só tem crescido nos últimos anos — e no Brasil não é diferente. Quinto lugar com maior área útil, o país tem um amplo potencial a ser explorado — vale a pena ficar de olho!

Que tal divulgar essas informações? Compartilhe o post nas suas redes sociais e deixe seus contatos por dentro!