Quais são os países líderes no uso do aquecedor solar?

aquecedor solar

O uso do aquecimento solar de água está crescendo a cada ano que passa (isso em vários países) e a tendência é que essa matriz energética limpa se torne uma das principais nas próximas décadas. A Agência Internacional de Energia acompanha a evolução do consumo dessa fonte de energia e disponibiliza as informações levantadas em um detalhado relatório, intitulado “Aquecimento Solar no Mundo – o mercado e sua contribuição para o suporte de energia”.

Um dos dados levantados diz respeito ao ranking de países que já veem no uso do sistema de aquecimento solar de água uma oportunidade para, entre outros fatores, reduzirem a poluição e, de quebra, propiciar economia para o bolso dos cidadãos. O Brasil até que está bem na fita: aparece em quinto lugar no ranking geral, levando em consideração vários critérios. O país só perde para a China, Estados Unidos, Alemanha e Turquia. A partir da sexta posição, integram a lista das dez nações que melhor aproveitam o potencial do Sol, os seguintes países nesta ordem: Austrália, Índia, Áustria, Israel e Grécia.

Embora seja boa notícia, o país ainda tem muito a crescer nesse segmento. O principal motivo para isso é o índice de irradiação solar. Pelo fato de morarmos em um país tropical, o Sol não é um problema. Só para se ter uma ideia, o Greenpeace divulgou um estudo que mostra que o Brasil tem um dos maiores potenciais para energia solar do mundo. A região Sul, mesmo sendo o pior local para geração solar, tem melhor incidência solar do que o local mais adequado na Alemanha. Mas lá a energia solar é bem mais difundida, tendo mais de 17 milhões de m² de coletores solares instalados.

Além de ser uma fonte de energia limpa, o que faz muita gente optar pelo sistema de aquecimento solar de água é a economia sentida diretamente no bolso. Isso porque o retorno sobre o investimento feito compensa muito! Antes de mais nada, é interessante avaliar o investimento inicial feito. O custo do aquecedor solar de água é um pouco mais elevado em relação ao sistema elétrico e bem similar ao investido na modalidade a gás. A grande diferença está no custo de manutenção — e aí está o pulo do gato: com durabilidade média de 20 anos, o sistema de aquecimento solar demanda um valor bem baixo para manutenção.

A grande economia no bolso já começa a ser sentida nos primeiros meses de instalação. Isso porque ao aquecer a água com a luz solar, o estabelecimento poupará na conta de energia elétrica (já que o chuveiro pode representar até 40% do total do valor gasto na conta de energia). Dependendo do consumo de água, o retorno do investimento feito (também conhecido como payback) pode ocorrer em cerca de dois anos.

Como falamos por aqui no blog, a manutenção basicamente consiste em lavar as placas coletoras duas vezes por ano, com água e sabão. De cinco em cinco anos, é aconselhável a troca do silicone que veda os coletores solares. Ou seja, embora o investimento inicial seja um pouco maior, o custo de manutenção é absolutamente compensador.

E se engana quem pensa que isso é vantajoso somente para residências. Há estabelecimentos comerciais sentindo o alívio nas contas, a partir da instalação desse mecanismo também para aquecer água de pias, chuveiros, cozinhas e até mesmo piscinas, em clubes com vestiário, motéis e hotéis.

Deu para perceber que, para ajudar o Brasil a estar melhor posicionado nesse ranking, os benefícios impactam diretamente a quem adotar o aquecimento solar de água, não é mesmo? Se ficou com alguma dúvida sobre como isso funciona na prática, é só nos procurar!